POLIMENTO E CRISTALIZAÇÃO / ESPELHAMENTO

3 processos têm o objetivo de retirar manchas, riscos, proteger e dar brilho ao carro (lembrando que há riscos onde só a pintura resolverá)

1. ENCERAMENTO

Indicado para todos os veículos (principalmente novos, seminovos e repintados).
Apesar do baixo potencial para eliminar riscos e manchas, é o jeito mais simples e barato de proteger e deixar seu carro mais bonito. Atente para a aplicação e se o profissional protege as superfícies rugosas (ex: frisos e para-choques) que não devem receber o produto.

2. POLIMENTO

Recomendado para pinturas manchadas, queimadas de sol, riscos de pouca profundidade, manchas provocadas por árvores e pássaros, peças que foram repintadas e perderam o brilho (como ocorre frequentemente no capuz do motor).
Utilizam-se massas abrasivas e politrizes e, em alguns casos os polidores fazem uso de lixa d’água bem fina para retirar substâncias impregnadas no verniz. Por ser feito com um disco de espuma e de forma muito leve, esse procedimento não afeta a camada de verniz (diz-se que pode ocorrer a retirada de um pouco do verniz da pintura e junto com ela as manchas e riscos).
Ao contrário da cera, que pode ser aplicada na sombra da sua garagem, o polimento requer conhecimento e experiência com a politriz, sendo as quinas, vincos e frisos laterais pontos que exigem um profissional experiente, pois a abrasão é tão grande que alguns segundos parado na mesma peça poderá remover o verniz e a tinta, deixando a mostra o fundo branco da lataria.
Cores escuras, como preto e azul marinho, merecem atenção especial, pois revelam facilmente as imperfeições do trabalho.
Como esse procedimento utiliza politriz e produtos abrasivos (que sempre retiram um pouco da camada de verniz) recomenda-se no máximo três polimentos durante a vida útil do carro.

3. CRISTALIZAÇÃO E OU ESPELHAMENTO

A cristalização é indicada para os carros com alguns anos de uso.
A cristalização e/ou espelhamento são termos utilizados para aplicação de uma resina protetora sobre a pintura. Enquanto a cristalização aplica uma resina para conseguir o efeito estético, o espelhamento usa uma cera especial. É bom saber que, assim como a cera, os produtos aplicados sobre a lataria do carro não reagem quimicamente com o verniz da lataria, ou seja, a aplicação da resina não transforma a estrutura molecular nem do verniz nem da tinta.
A cristalização garante durabilidade maior que a cera, além de evitar que pequenas agressões atinjam o verniz original do veículo
Os dois processos exigem a lavagem do veículo, a proteção de borrachas e cromados, o lixamento fino (para corrigir imperfeições), o polimento (para buscar o brilho) e a aplicação da resina, no caso da cristalização, ou da cera especial, no espelhamento (que cria uma camada protetora) e da cera final (que impermeabiliza todo o conjunto).
Recomenda-se fazer tanto o espelhamento como a cristalização duas vezes ao ano em automóveis de cor escura. Em pintura clara, basta fazer uma aplicação anual.


Fonte: adaptação dos textos publicados por Denis Marun no G1 e; Gustavo Henrique Ruffo na 4 Rodas.